Mais improviso! Menos obrigação!

post_improvise_16092016

 

Tem muita gente que acredita que é difícil começar a ter o hábito de fazer arte, porque não possui nenhum material artístico e que é caro compra-los etc. Bem, só digo uma coisa: na arte criativa busco sempre reinventar maneiras de criar, saindo do convencional. E nessas experimentações é que tenho os melhores resultados. Surpreendente!

Acredito que não precisamos de materiais caros ou da marca x ou y para nos expressar através da arte. Consegue-se até fazer pinturas com tintas caseiras, de legumes, por exemplo! O importante é produzirmos algo que nos conecte com o momento da criação, por isso vale improvisar nos materiais. 😉

O ato de improvisar nos liberta da cobrança do acerto, do perfeito, do belo idealizado. Então, meu conselho é: comece com os materiais improvisados.

Eu adoro juntar materiais diversos para depois pensar no que posso fazer com eles na minha arte. Vira uma brincadeira! Entramos sem querer no terreno mais lúdico e saímos do lugar de obrigação/cobrança!

Vale tudo: tampinhas de garrafa de diferentes tamanhos, embalagens de papelão, escova de dente, palitos, pedaços de madeira, bandejas de isopor, pedras, medalhas antigas, pedaços de pano, barbante, linha, laços de presente e por aí vai… Tudo pode virar arte e ser usado para fazê-la!

Quer um exemplo?

Veja o passo a passo abaixo e observe como criei essa textura com uma simples escova de dente! Não, não precisei de nenhum pincel mega ultra caro e famoso J

  1. post_pintura_escovadedenteSepare o material: tinta da sua escolha (pode ser guache, aquarela, acrílica…), escova de dente velha, folha de papel não muito fina, copinho com água e papel toalha. Se desejar forre sua mesa, para não sujá-la 😉
  2. Chegou a hora da respiração! Conecte-se com esse seu momento de criar, no momento presente, respirando profundamente durante três vezes. Inspire e expire pausadamente! Relaxe!!!
  3. Como usei aquarela, precisei molhar um pouco as cerdas da escova de dente na água, tirei o excesso de água e depois passei a escova de dente na cor desejada e comecei a aplica-la no papel, aleatoriamente (sem calcular movimentos, somente apreciando essa sensação de criar algo inusitado, sem controlar o resultado, nem esperar algum efeito. Coloquei a intenção de o que vier está bom 😊)
  4. Se você vai usar guache ou tinta acrílica, primeiro misture a tinta com a água e depois passe a escova de dente nessa mistura. Lembrando que quanto mais água, mais fluida e transparente a tinta fica. 😉
  5. Repeti diversas vezes o passo 3, alternado cores, sem lavar a escova de dente. Deixei as cores se misturarem para testar o efeito.
  6. E pronto!!! Amei o resultado e fiquei mais leve e solta! 😀

Comece agora você a criar suas próprias texturas e a experimentar materiais inusitados! Sem mais desculpas para iniciar a sua arte!

Gostou desse passo a passo? Diz um OI pra mim nos comentários e compartilhe com os seus amigos!!

Monotipia: desperte sua criatividade!

Monotipia com tinta de impressão. Depois, colori com giz pastel oleoso

Monotipia com tinta de impressão. Depois, colori com giz pastel oleoso

 

Uma das minhas técnicas preferidas para desestressar a mente e aguçar a criatividade é a monotipia. Provavelmente, você não se lembra desse nome, mas já produziu muitos trabalhos de monotipa quando era criança. 😛

Mono=um // tipia=impressão.

Uma simples técnica de imprimir figuras, padrões, manchas, enfim, fazer gravuras em algum suporte, que pode ser papel, tecido ou tela. Precisa-se de uma superfície lisa que receberá a tinta, como placa de acrílico, vidro, plástico, fórmica e até aquelas bandejinhas de isopor, rolinho ou pincel para aplicar a tinta e sua criatividade para fazer padrões e desenhos.

Adoro essa técnica porque ela traz uma sensação de liberdade, de produção livre. Me sinto em uma fábrica criativa e deixo a mente voar leve! Principalmente se estiver ouvindo minha playlist preferida. \o/_o/\\o

O mais legal é que a impressão não tem um resultado perfeito e produz a imagem invertida, dando um certo efeito rústico. Permite que eliminemos a cobrança de fazer um modelo perfeito etc e tal. Treinamos a habituar o olhar para as imperfeições de forma mais tranquila, visualizando o belo de outra forma.

As tintas utilizadas variam. Se você usar o papel para fazer a impressão pode utilizar o guache ou tinta acrílica ou tinta de impressão. Para tecidos, o ideal é a tinta própria para esse material.

Ficou com água na boca e quer experimentar também?

Siga os passos abaixo. 😉

  1. Separe o material para ser utilizado: rolinho, guache (diversas cores), pincel ou lápis sem ponta, papel A4. Escolha a superfície plana que receberá a tinta (sugiro aquelas bandejinhas de isopor que embalam legumes. É só cortar as bordas e você terá uma superfície plana). Ah! Não se esqueça de colocar a sua playlist favorita ;);
  2. Com o material separado chegou a hora de relaxar respirando profundamente umas três vezes pelo menos para se conectar com.o seu momento de criação.
  3. Escolha a cor que irá colocar na superfície plana e monotipia tinta impressãoaplique com o rolinho;
  4. Coloque a folha de papel por cima da placa e com o cabo do pincel faça desenhos por cima do papel fazendo pressão. Não apoie a mão;
  5. Retire a folha e você terá seu desenho impresso!
  6. Você pode limpar a placa ou passar outra cor de tinta por cima para uma nova impressão nessa mesma folha ou em outra. Na imagem ao lado, testei várias impressões usando também recortes de formas sobrepondo na placa com tinta;
  7. Ainda pode-se fazer o desenho na placa com tinta e depois pressionar a folha de papel. Dessa forma, o que você desenhou não terá a tinta.
  8. Faça várias experiências!!!

Ficou animado? Corre pra experimentar e me diz aqui nos comentários o que achou. Compartilhe com seus amigos e vamos espalhar mais arte criativa pelo mundo. 😉