O milagre da arte: ver de verdade!

imagem_post_olhar-horz

Você pode começar a ler este post e pensar: o que este papo todo tem a ver com arte? A minha resposta: não desiste que você logo saberá o porquê. 😉

Desde que comecei a ter um espaço maior de arte na minha vida, comecei a ter uma relação diferente com o mundo. A minha percepção mudou e conforme passam os dias, ela só vai mudando e mudando. Como se uma venda tivesse saído dos meus olhos que estavam bloqueados por “couraças” de olhares viciados.

Na prática, comecei a perceber a mudança de pequenas coisas, singelas mudanças. Como a passagem das estações e seus sinais na natureza que está ao meu redor. Sempre ouvi dizer pelos estudiosos em geografia que aqui, no Rio de Janeiro, como em outras regiões do Brasil, não tínhamos a mudança das estações (ok, o calor é eterno, no verão ou inverno kkk).

Mas essa informação não me fazia perceber a transformação da natureza ao passar de uma estação para outra, ao ver flores nascendo, a natureza se renovando. Uma transformação sutil e ignorada pela correria do dia. Quem percebe atualmente que uma árvore perde todas as folhas no inverno e torna a reviver na primavera de forma tão exuberante e viva que, se descrita, transforma-se em fenômeno inacreditável aos nossos olhos.

Sim, passei a observar essas sutilezas. Sim, passei a contemplar esse milagre da natureza e a realizar o quanto a beleza nos cerca e SEMPRE nos cercou. Esse milagre está agora aí a sua volta também. 🙂

Mas o que tudo isso tem a ver com arte e criatividade? Como disse, a prática artística direcionada para criatividade me fez, pouco a pouco, ver diferente, quer dizer, ver REALMENTE. Antes, fazia a mesma caminhada pela rua e não notava essas nuances e transformações. Agora, elas saltam aos meus olhos.

Então, esse post é um pouco para provocar em você essa vontade de ver de verdade. De ver essa mágica acontecer. Pois ela está aí, bem pertinho de você. Na imagem acima coloquei um pequeno registro do que observo e me encanta: a mesma árvore no inverno e na primavera. 😉

Para você não pensar que vou deixar de ser mais incisiva e dar um empurrão para você começar a exercitar esse novo olhar, vamos lá! Vem comigo!

  1. Pegue um bloco de papel (pode ser o seu bloquinho de rabisco ;)) e um lápis grafite e vá caminhar em algum local perto da natureza, praça, rua arborizada, jardim…
  2. Escolha um local para sentar. Observe a natureza a seu redor. Sempre respirando profundamente, conectando-se com sua respiração.
  3. Escolha uma flor, folha, tronco, galho, fruto, árvore, pássaro, jardim qualquer elemento da natureza que lhe despertar atenção e encantamento;
  4. Apenas observe sem julgamentos, sem pensar o que aquele elemento representa ou qual seu significado;
  5. Entre em contato com suas curvas, formas e cores. Perceba a luz que cai sobre ele. Como ele se movimenta;
  6. Agora pegue seu bloquinho e comece a desenhar o que mais gostou de observar (não precisa ser uma cópia, mas um registro do que percebeu e sentiu). Não quero que se preocupe em retratar realisticamente o objeto, mas sua percepção sobre ele.
  7. Faça quantos desenhos desejar;
  8. Tire uma foto desse elemento e dos que mais gostar;

Pronto! Continue fazendo esse exercício. Às vezes, tire fotos e em casa desenhe usando esse mesmo método. Mas não pule as etapas da observação. 😉

E aí? Gostou? Fez sentido para você? Conta pra mim nos comentários, vou adorar saber sua opinião. Se você puder, compartilhe com os amigos para eles também ampliarem o olhar.

Saia do estresse! Faça seu caderno de rabiscos!

post_caderno-de-rabiscos

“Um desenho é uma linha que saiu para passear”. Essa citação é do pintor suíço Paul Klee. Pegando carona nessa linda reflexão, vou contar um pouco porque tenho um caderno de rabiscos e quem sabe empolgar você para começar a ter o seu também. ☺

Todos os dias levo linhas e mais linhas para passear. Faço isso para liberar a minha mente da correria do dia a dia, uma sensação de quase meditação.

Rabiscar (doodle, em inglês) é um hábito saudável.  É quase tão importante quanto beber água todos os dias.

Você, com certeza, já experimentou essa sensação de desprendimento mental, rabiscando durante as aulas, no seu caderno, quando era adolescente ou em uma palestra ou ao falar no celular. Por segundos, você se desconectou e entrou num estado de esvaziamento da mente.

No meu caderno de rabiscos a única regra é deixar o lápis passear pelo papel sem exigências. Construo diferentes rabiscos sem pensar no que estou produzindo. Simplesmente, rabisco. 😉

Dá uma olhada, neste vídeo, como meu caderninho está ficando:

Vale tudo! Linhas tortas, retas, curvilíneas, arabescos, formas geométricas, riscos fortes, fracos, circulares… Uso o que estiver à mão para rabiscar: lápis grafite, caneta esferográfica, giz de cera, lápis de cor, bastão de carvão, canetas hidrográficas, caneta nanquim. Você pode usar o que quiser.

Carrego meu caderno (na realidade, bloco) sempre comigo. A consulta médica demorou? Pego meu caderno e começo a rabiscar. Bateu o estresse? Lá vou eu rabiscar um pouquinho e volto renovada! E por aí vai…

 

Rabiscar é contagioso. Depois que começamos não queremos mais parar! É como se você acordasse o seu potencial criativo dando para ele espaço para se expressar e, com isso, recebe de volta calma e bem-estar. #vidazen

Quer fazer o seu? É muito fácil! Segue os passos abaixo que te explico:

  1. Escolha um bloco ou caderno antigos que tenham folhas ainda em branco. Todo mundo tem um guardado. Procura aí que você vai achar!
  2. Junte o que você tiver em casa que possa te ajudar a rabiscar: lápis grafite, caneta esferográfica, lapiseira, lápis de cor…. Escolha um para ser o seu acompanhante em todos os momentos (lembre-se que o caderno de rabisco é igual celular, você não se desgruda dele ;))
  3. Pronto! Comece a rabiscar! Faça riscos no papel, não economize. Use mais de uma folha.
  4. Bateu vontade de escrever? Rabisca primeiro, depois escreve. O importante é você começar a liberar a mente de formatar seus pensamentos em rótulos. Inicie seus rabiscos, sem se preocupar com o que está fazendo.

Depois de uma semana, pelo menos, dê uma olhada no que você rabiscou. É incrível a experiência de visualizar o que você riscou. Muitas pessoas encontram padrões (formas repetidas) e seus rabiscos e por aí vão desenvolvendo mais rabiscos que com o tempo vão se tornando inspiração para outros trabalhos com arte.

Agora não tem mais desculpar para não fazer o seu! 🙌

Se você gostou dessa dica, compartilha com os amigos e deixa um comentário aqui para me incentivar a produzir mais conteúdo como esse.

Rabiscando e desestressando!

Rabiscando e desestressando!


O simples ato de rabiscar proporciona esvaziamento mental. Quem já não rabiscou em um caderno e se perdeu no tempo? Você já experimentou essa sensação?

Rabiscar tem um efeito calmante. Isso mesmo, acalma a mente e nos deixa mais serenos. E ainda é melhor que isso: qualquer pessoa consegue rabiscar. Não é necessária nenhuma habilidade específica.

O rabisco auxilia também na construção da nossa expressão pessoal e de sentimentos.

Quer um exemplo?

Se estamos mais nervosos, rabiscamos com mais intensidade ou mais rapidez. Conforme vamos nos acalmando, eles tornam-se mais suaves.

Existem diversas técnicas para equilibrar a mente utilizando o rabisco.

Posso afirmar que rabiscar é um hábito saudável que todos deveriam cultivar: 30 segundos de rabiscos, com auxilio de respiração profunda e tranquilizante, permite que voltemos ao nosso centro de equílibrio.

Faça este teste:

  1. Pegue uma folha de papel (pode ser qualquer uma que tiver em casa ou no trabalho);
  2. Lápis de cor, caneta esferográfica, lápis grafite ou qualquer outro material para desenho (só não vale pincel e tinta ;));
  3. Respire profundamente por três vezes;
  4. Comece a rabiscar sem pretensão e continue respirando pausadamente;
  5. Se necessitar, pode pegar mais de uma folha e utilizar o verso da mesma;
  6. Faça a atividade no seu tempo. Aconselho, 1 minuto a 3 minutos. Mas se desejar, continue nesse momento do rabisco.

O que achou? O que percebeu em você? O que sentiu?

Uma dica minha é ter um caderninho de rabisco sempre contigo para parar pequenos segundos ao longo do dia e simplesmente rabiscar. Depois de um tempo, volte e veja como está seu caderno de rabisco. Você irá se surpreender com a Arte que criou. 🙂

Os rabiscos aí de cima fazem parte da minha coleção. Preferi fazer em folhas A3, para gastar energia e ficar mais zen. 😉

Deixe aqui seu comentário me dizendo o que achou dessa dica!