Discutindo a relação com materiais de arte: carvão

img_carvao1

A minha primeira experiência com carvão foi apaixonante! ❤ Adoro desestressar com ele. 🙂

Com o carvão podemos deixar marcas no papel com risco intenso e ao mesmo tempo fluido, pois facilmente pode ser desconstruído, esfumaçado com o próprio dedo ou algodão ou esfuminho. É um material de fácil diálogo e não requer muitas habilidades para explorá-lo.

Você poderá perceber o que estou falando quando experimentar rabiscar com carvão. Verá que sua relação com essa atividade será outra. Por ser um material intermediário, construímos linhas, mas também podemos desconstruí-las, permite uma outra forma de sentir o rabisco ou desenho.

Quando estou me relacionando com esse material consigo trabalhar a maleabilidade que existe em mim, já que posso corrigir o traço a qualquer momento. Além disso, consigo diferentes tons e nuances com ele: do tom mais intenso ao mais claro.

Esse fazer de apagar e recriar ajuda a refletir que tudo e qualquer situação pode ser recriada, transformada. Nada é fixo na vida. Está em constante mudança e somos os criadores de nossa realidade.

Podemos escolher em deixar o traço como está ou recriá-lo dando diferentes formas e tons. Da mesma forma que em cada situação que vivenciamos. Não há quem diga que depende do nosso olhar? Se vemos o copo meio cheio ou meio vazio? Qual você escolhe? Com a atividade de carvão descobrirá aos poucos. 😉

O grande barato dessa relação com os materiais artísticos é que, despretensiosamente, ao lidarmos com eles, estamos olhando para nós mesmos também. Essa é a beleza da arte criativa. J

Existem diversas formas de carvão vegetal atualmente. Em bastões ou barra, lápis carvão, carvão em pó, barras com carvão e óleo (cretacolor), carvão em mina. Há ainda o carvão branco (maravilhoso para papéis pretos) e o  Art Chuncky, da Cretacolor, que possui 12 cores. Ele, usualmente, é um material barato (até R$10,00), porém existem modelos utilizados por profissionais que chegam a custar mais de R$ 100,00.

Você pode usar a borracha convencional para espalhar o carvão sobre o papel ou, se desejar, apagar completamente deve usar a borracha limpa-tipo, ela parece uma “massinha” e deve-se retirar um pedaço dela e esfregar na área que deseja apagar. Muito boa essa experiência de trazer luz ao desenho escuro do carvão, clareando as ideias!!!

Algumas de minhas experiências com carvão.

Algumas de minhas experiências com carvão para você perceber o efeito de contrastes e tons que ele proporciona.

O interessante é trabalhar com o papel poroso e texturizado para que o carvão possa ser melhor absorvido pelo papel. Para fixar o carvão, você pode usar fixador de cabelo (baratex \o/) que seu desenho ficará protegido.

Vou dar um empurrãozinho nessa relação. Experimente fazer a atividade abaixo:

  1. Arrume seu local de fazer arte e reúna o material: bastões de carvão, papel A4 (se tiver rugoso ou texturizado ou poroso, melhor), algodão, durex;
  2. Respire profundamente por três vezes. Inspirando e expirando o ar para se conectar a este momento de fazer criativo.
  3. Escolha uma música que lhe agrade (qualquer uma)
  4. Coloque a folha na sua frente e a prenda com durex na mesa, ligue o som e de olhos fechados, comece a fazer movimentos no papel com o bastão de carvão sentindo a música.
  5. Faça por quanto tempo desejar. Se preferir, cubra a mesa com ou plástico para não ter receio de rabisca-la e se desconcentrar. 😉
  6. Abra os olhos e veja seus riscos. Com o algodão vá suavizando os riscos. Você, agora, vai brincar de clarear áreas, fazer um degradé, do mais escuro ao mais claro. Veja quais riscos deseja deixar e quais deseja clarear.
  7. Repita esse exercício quantas vezes desejar. É muito relaxante. J

Comenta aqui o que você achou desse post e conta pra mim se já fez algum desenho com carvão? Compartilha com os amigos para eles também se inspirarem a fazer arte. 😉

Saia do estresse! Faça seu caderno de rabiscos!

post_caderno-de-rabiscos

“Um desenho é uma linha que saiu para passear”. Essa citação é do pintor suíço Paul Klee. Pegando carona nessa linda reflexão, vou contar um pouco porque tenho um caderno de rabiscos e quem sabe empolgar você para começar a ter o seu também. ☺

Todos os dias levo linhas e mais linhas para passear. Faço isso para liberar a minha mente da correria do dia a dia, uma sensação de quase meditação.

Rabiscar (doodle, em inglês) é um hábito saudável.  É quase tão importante quanto beber água todos os dias.

Você, com certeza, já experimentou essa sensação de desprendimento mental, rabiscando durante as aulas, no seu caderno, quando era adolescente ou em uma palestra ou ao falar no celular. Por segundos, você se desconectou e entrou num estado de esvaziamento da mente.

No meu caderno de rabiscos a única regra é deixar o lápis passear pelo papel sem exigências. Construo diferentes rabiscos sem pensar no que estou produzindo. Simplesmente, rabisco. 😉

Dá uma olhada, neste vídeo, como meu caderninho está ficando:

Vale tudo! Linhas tortas, retas, curvilíneas, arabescos, formas geométricas, riscos fortes, fracos, circulares… Uso o que estiver à mão para rabiscar: lápis grafite, caneta esferográfica, giz de cera, lápis de cor, bastão de carvão, canetas hidrográficas, caneta nanquim. Você pode usar o que quiser.

Carrego meu caderno (na realidade, bloco) sempre comigo. A consulta médica demorou? Pego meu caderno e começo a rabiscar. Bateu o estresse? Lá vou eu rabiscar um pouquinho e volto renovada! E por aí vai…

 

Rabiscar é contagioso. Depois que começamos não queremos mais parar! É como se você acordasse o seu potencial criativo dando para ele espaço para se expressar e, com isso, recebe de volta calma e bem-estar. #vidazen

Quer fazer o seu? É muito fácil! Segue os passos abaixo que te explico:

  1. Escolha um bloco ou caderno antigos que tenham folhas ainda em branco. Todo mundo tem um guardado. Procura aí que você vai achar!
  2. Junte o que você tiver em casa que possa te ajudar a rabiscar: lápis grafite, caneta esferográfica, lapiseira, lápis de cor…. Escolha um para ser o seu acompanhante em todos os momentos (lembre-se que o caderno de rabisco é igual celular, você não se desgruda dele ;))
  3. Pronto! Comece a rabiscar! Faça riscos no papel, não economize. Use mais de uma folha.
  4. Bateu vontade de escrever? Rabisca primeiro, depois escreve. O importante é você começar a liberar a mente de formatar seus pensamentos em rótulos. Inicie seus rabiscos, sem se preocupar com o que está fazendo.

Depois de uma semana, pelo menos, dê uma olhada no que você rabiscou. É incrível a experiência de visualizar o que você riscou. Muitas pessoas encontram padrões (formas repetidas) e seus rabiscos e por aí vão desenvolvendo mais rabiscos que com o tempo vão se tornando inspiração para outros trabalhos com arte.

Agora não tem mais desculpar para não fazer o seu! 🙌

Se você gostou dessa dica, compartilha com os amigos e deixa um comentário aqui para me incentivar a produzir mais conteúdo como esse.